Traduzir

domingo, 9 de dezembro de 2012

A Entidade



Não achei nada demais nesse filme, é mais um daqueles em que a gente assiste até o fim, esperando que ao menos o final seja bom e que vá justificar toda a chatice que passou até agora, mas então o filme termina, e você descobre que foi só perda de tempo, isso em minha opinião, é claro.
Eu gosto de filmes com espíritos, casos estranhos que acontecem em casas, pessoas que se mudam pra lugares assombrados e encontram os espíritos dos antigos moradores, mas esse filme foi tão sem gracinha...
O filme conta a história de uma família que se muda pra uma casa. O pai dessa família é um escritor e decidiu-se mudar pra cidade onde o caso que está escrevendo aconteceu, é sobre um assassinato e o sumiço de uma garotinha, o que ele não contou pra esposa é que estavam se mudando exatamente pra casa onde o assassinado foi feito.
Ok, vocês já podem imaginar que ele começa a ver as pessoas que morreram na casa, e bla bla bla, é isso mesmo. Então ele descobre umas coisas sobre uns vídeos que encontra, e que tem um espírito malvado querendo matá-lo assim como sua família.
Historinha fraca, ruim mesmo, que desgosto, kkkkk achei tão fraquinho que fiquei até com raiva por ter assistido, eu podia estar dormindo agora, descansado, mas fiquei vendo esse filme ruim...
É isso, talvez algumas pessoas até possam gostar, sempre tem gosto pra tudo, talvez quem goste muito de espíritos e cultos, algo assim, alguém ainda vai gostar desse filme, isso é certo, mas pra mim tudo ficou muito parado, e sem cenas que me prendessem. Não senti medo, mas nunca sinto medo vendo filmes, nem achei nada de suspense, não achei nada de nada...
Enfim, mais um pra listinha dos piores já vistos...

PS: não posso deixar de dizer, toda vez que vi o vilão da história, não pude deixar de imaginar que ele era apenas um dos integrantes do KISS... 

9 comentários:

  1. Normalmente eu nem precisaria da sua resenha já que, ultimamente, eu tenho ignorado por completo os filmes de terror achando que já vi o suficiente e nada novo vai aparecer. Até que eu li sua última linha e fiquei curioso sobre o vilão. Agora eu vou acabar vendo esse filme, nem que seja pra rir um pouco, até porque, hoje em dia, os filmes de terror tão mais engraçados que as comédias.

    ResponderEliminar
  2. O pior é que você está certo, os filmes de comédia estão tão fracos que acabo dando risada com os de outra categoria... É a vida, né? kkk
    Nem perca seu tempo vendo esse filmes, chato que dói... kkk

    ResponderEliminar
  3. Certo, já imaginava que, mesmo com um vilão parecendo um membro do KISS, não valeria as risadas. Vou controlar essa estranha vontade.

    Pois é, bons tempos de Monthy Python e O Exorcista, quando os dois gêneros estavam separados e cumpriam com seus objetivos...

    ResponderEliminar
  4. Era o que eu imaginava, nada demais. Que bom que não cheguei a gastar meu dinheiro com ele. Ótima crítica.


    Abraços,

    http://oepitafio.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  5. Pois é, Elder, fico feliz em ter ajudado...kkkk

    ResponderEliminar
  6. O próprio subtítulo já diz... "Once you see him, nothing can save you".
    GK

    ResponderEliminar
  7. Oi, Camila.

    Eu não gosto desse tipo de filme. Já acho o tema ruim, então, nem perco meu tempo. Certa feita, assisti a um filme bem sombrio, mas sem nenhuma lógica. Só no final deu para entender o que era. rsrs... Mas o filme era até bonzinho, conseguiu me prender - acabo de fazer várias pesquisas no Google, mas não descobri o nome do filme. kkkkk...

    O último filme idiótico que assisti por causa do meu esposo foi Vírus. Ô, filminho ridículo, sem pé nem cabeça. No final, meu esposo olhou para mim, sorriu e pediu desculpas. kkkkkk...

    Beijinho,

    Isie Fernandes - de Dai para Isie

    ResponderEliminar
  8. Isie,
    Eu gosto muito de filmes sobre essas coias, mas alguns só servem pra dar desgosto. kkkkk

    ResponderEliminar

Adoraria saber o que você está achando do blog, e da postagem...