Traduzir

domingo, 24 de março de 2013

Peter Pan e Wendy



De todos os clássicos, Peter Pan é o meu favorito. Quem não conhece a história do menino que nunca cresce?
Pra mim essa é uma das histórias mais fascinantes, não somente por Peter, mas por todos os pequenos detalhes, todas as coisas ditas nas entrelinhas, todas as referências, metáforas, é tudo muito bem pensando, muito embora eu não possa deixar de ficar pensando em qual droga o escritor havia usado antes de começar a escrever. Kkkk É verdade, sei que o cara foi um gênio e que grande parte de sua “inspiração”, se é que podemos usar essa palavra, foi a morte de um de seus irmãos, ainda muito novo. Penso que James Mattehew, que era ainda mais novo que o irmão que morreu, deve ter escutado muito sua pobre mãe que estava em depressão, dizendo o quão triste estava por não poder ver mais seu menino crescer, que ele nunca se tornaria um homem, seria um menino para sempre. É isso que penso, fico até vendo a cena em minha mente, não somente a mãe de James, mas as tias, outros familiares e até mesmo desconhecidos, lamentando que o menino que morreu seria para sempre um menino.
Bem, deixemos essa parte triste e um tanto perturbada de minha mente e talvez de James e vamos logo falar do livro.
Peter Pan e Wendy é um livro maravilho, estupendo, não somente por ser meu predileto, mas por ser tudo isso que disse e mais um pouco.
O escritor consegue te fazer rir, ficar triste, sentir-se um tolo por estar lendo aquela cena bizarra e te mostrar como são realmente as coisas, sem medo algum de dizer com as verdadeiras palavras. Como quando diz que as crianças são desalmadas, as crianças só podem ir pra Terra do Nunca por serem alegres, inocentes e desalmadas. O que pode parecer cruel, mas não é nada mais, nada menos do que a pura verdade. Quantas vezes você já viu uma criança brigando com outra por causa de brinquedo bobo? Quantas vezes uma criança fere os sentimentos de outra pessoa sem nem um pingo de remorso, ou então quando não querem dividir o doce que estão comendo? Quantas vezes você viu uma criança dizendo que prefere a tia que lhe dá balas sempre que o vê do que a mãe que está sempre fazendo tudo por ela? É verdade, crianças não tem coração. Não estou dizendo isso de uma forma ruim, pois essa é uma das partes de ser criança, é assim que as coisas são.
Descobri muito mais coisas de Peter lendo esse livro, descobri que ele é o guia das crianças quando elas morrem, ele as leva por uma parte do caminho para que não tenham medo, que ele ainda possui seus dentes de lente, que tem sua primeira risada, sua inocência é intacta e que ele é o garoto mais esquecido de todos, esse pequeno detalhe é que faz toda a diferença, Peter só consegue se manter sendo um menino, por ser esquecido, pois só assim ele consegue viver as coisas pela primeira vez, várias vezes seguidas, ele sente ódio pela primeira vez, sente ciúme, passa por injustiças. Se ele passasse por situações como essas e conseguisse lembrar-se delas, não sentiria a mesma sensação na segunda vez que as vivenciasse e é por esse, talvez não tão pequeno, detalhe, que ele continua sendo um menino.
Tenho que dizer que os esquecimentos de Peter me magoaram algumas vezes, como quando ele se esqueceu de Wendy e de Sininho. Eu não gosto da Sininho, mesmo sabendo que ela o ama e que daria sua própria vida pela dele, o que ela realmente fez e mesmo sendo bem explicado que fadas sãos seres tão pequenos que só conseguem sentir um sentimento de cada vez, eu nunca vi um sentimento bom em Sininho, claro, tirando a vez que ela salva Peter, pois os sentimentos dela por ele são bem claros, tirando isso ela é bem chatinha e malvada.
O modo como o escritor nos mostra o amor de uma mãe ou a falta que uma faz é incrível, sem contar o quanto as falas são engraçadas e de como meninos ficam perdidos sem suas mães para lhes ensinar as coisas, daí surge o nome Meninos Perdidos da Terra do Nunca. Eles são meninos que caíram de seus carrinhos, como não foram encontrados em sete dias, foram diretamente para Terra do Nunca, que não podemos dizer exatamente como é, pois ela vive dentro da cabeça de cada criança, sendo assim, é quase sempre uma ilha e você só pode encontrá-la se ela estiver procurando por você, não basta apenas seguir as coordenadas fajutas de Peter, vire a esquerda e continue adiante, até o amanhecer, ou algo parecido com isso, não importa, pois nem ao menos é verdade, ele só disse isso por sentir-se envergonhado de não saber o endereço.
Peter é soberbo, gosta de se gabar de tudo o que faz, até mesmo do que não faz, ele se gaba até do que os outros fazem, colocando os créditos em si mesmo.
Ele é só um menino, ué, toda criança gosta de ser elogiada, crianças gostam de elogios pra tudo, quando fazem um desenho tenebroso de tão feio, elas sempre o levantam orgulhosas e esperam pelo elogio, não é mesmo?
O final das crianças, dos irmãos de Wendy e os meninos perdidos, me entristeceu um pouquinho, não posso negar, mas foi o final que elas mesmas escolheram. O final de Sininho, mesmo não indo muito com a cara dela, também não me agradou muito. O de Wendy e de Peter... Não sei explicar muito bem meu sentimento. Eu adoro a história, amo os personagens, amo até mesmo o Capitão Gancho, ele é encantador e muito educado, se você quer saber.
Já disse que o esquecimento de Peter chega a machucar, mas tirando uma frase do livro, não exatamente como está escrita, mas tirando exatamente o que ela quer dizer, as crianças vão embora, levantam-se animadas para ir ao desconhecido, deixando pra trás sem nem um pingo de remorso ou compaixão, as pessoas que mais amam. Eu amo a história, mas não é por isso que ela irá deixar de ser o que é e nem mudar seu final para me alegrar, afinal, sou apenas uma observadora, ninguém faz questão que eu esteja lá, o que não muda o fato de que eu estive.
Por fim, eu peço que leia Peter Pan e Wendy, pois sei que seu conceito sobre a história irá mudar, juntamente com muitas outras coisas que acredita.
Peter não quer crescer, não quer ser um homem e não se importa em ter uma mãe, sei disso, mas qual seria o motivo pra ele sempre voltar por aquela janela para buscar aquela garota para a limpeza de primavera e para o faz de contas, o único faz de contas que se recusa a acreditar que é real? Talvez nem tudo o que ela diga seja real, talvez ele tenha apenas se esquecido...

“Morrer será uma enorme aventura" -  Peter Pan

11 comentários:

  1. Quando eu tinha 6 anos ganhei um vinil do meu pai com historinhas para crianças; uma delas era Peter Pan. Me apixonei! Na 3ª série, li um livro adaptado para crianças e também amei! Sempre adorei a história, na sua essência, e adoro até hoje, mas quando li a obra completa eu odiei pois o Pan não era nem de longe o herói da minha infância... mas não faz mal, eu escolho ficar com o Peter dasminhas lembranças infantis! Um de meus filmes favoritos é "Em busca da Terra do Nunca" que conta a história de como surgiu a peça de teatro Peter Pan.

    ResponderEliminar
  2. Kika,

    é verdade, a história original é diferente de todas as outras, mas ainda assim, eu prefiro a verdadeira, pois podemos conhecer quem realmente é Peter Pan. Eu não me decepcionei, nem sempre tudo são rosas e também Peter não é ruim ou qualquer outro tipo de coisa nesse sentido, ele também não é nenhum herói, é apenas um menino que se recusa a crescer...

    ResponderEliminar
  3. Olá! Tenho muita vontade de ler esse livro, mas até agora não tive oportunidade. Gosto da história de Peter e tenho muita vontade de conhecer a versão original, que pela sua resenha, deve ser fantástica.
    Beijos,
    Niki,
    http://www.meigaemalefica.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Niki,

    Sim, o livro é ótimo, espero muito que você goste!

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  5. Ainda não li o livro, mas tenho vontade. Só conheço o filme.
    Sua resenha ficou ótima! Adorei!
    Não sabia dessa história da infância do autor.

    http://meuslivrosesonhos.blogspot.com.br/2013/03/blog-post.html
    *Tem resenha premiada no blog, ficarei feliz se vc puder visitá-lo.

    ResponderEliminar
  6. Leila,

    que bom que gostou da resenha, fico feliz.
    Estou indo dar uma olhada em seu blog agora...

    Beijão

    ResponderEliminar
  7. Eu nunca li o original Peter Pan, aliás dos clássicos, o único que li foi Alice no País das Maravilhas.
    Eu tenho vontade de ler todos os clássicos! ^3^
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas
    Unicórnio com Bigode
    Nerd Descolada

    ResponderEliminar
  8. Oi, Camila.

    Eu sempre fui muito fã do Peter, tanto que ocorreu um episódio sobre ele comigo - acho que já te contei, até entrou em ADV. =)

    Ah, não acho que as crianças são desalmadas, apenas que são ingênuas demais para entender que as pessoas (aldutos) não gostam de ouvir verdades, isso mesmo, pois crianças não mentem, elas são autênticas. Tem hora que a gente tem raiva de quem mais ama, mas não dizemos; as crianças dizem, independente de isso mudar no minuto seguinte ou não.

    Eu não sabia nada sobre a história do autor, que triste. =(

    Não sei o motivo ao certo, mas alguma coisa nessa história não me agradou. E nos desenhos a Sininho era muito boa. Também não gosto do fato de Peter se esquecer das pessoas que o amam. É trite.

    Beijos,

    Isie Fernandes - de Dai para Isie

    ResponderEliminar
  9. Sel,

    ainda não li o da Alice, mas irei fazer isso em breve.

    Beijão :)

    ResponderEliminar
  10. Isie,

    lembro de seu caso sim. kkkk
    Eu adoro Peter Pan, sempre gostei!
    Os desalmadas que o escritor fala, é nesse sentido mesmo, não por maldade.
    A história original é mais realista, sabe, meio triste, mas eu gosto. kkkk
    Sim,a história do escritor é triste também, coitado.


    Beijão :)

    ResponderEliminar
  11. *triste

    Quando era criança, eu tinha inveja do Peter. Não tenho mais.

    ResponderEliminar

Adoraria saber o que você está achando do blog, e da postagem...