Traduzir

sábado, 27 de abril de 2013

A Hospedeira - Filme



 Depois de uma longa espera dolorosa de mais ou menos três anos, finalmente pude assistir o filme que foi baseado em um de meus livros favoritos.
Senti até frio na barriga quando as cenas surgiram na telinha, de verdade.
Bem, a primeira coisa que tenho que dizer é que o filme foi realmente muito fiel ao livro, algumas cenas ficaram faltando e algumas outras foram adicionadas, mas nada que tenha mudado o espírito da coisa.
Acho que nessa altura do campeonato todo mundo deve conhecer a história e saber do que se trata, certo? Mas em todo caso, pra quem não sabe, irei resumir um pouquinho as coisas. Nosso mundo foi dominado por uma raça alienígena, eles vieram pra “nos salvar”, pois estávamos destruindo o planeta e toda essa conversa sobre esse assunto. Esses seres não são tão ruins quanto parecem, são pacifistas, estão aqui somente para ajudar, tudo bem que eles tomam posse de nossos corpos, memórias e pensamentos, mas no fundo, não são monstros destruidores de planetas.
A história começa quando uma alienígena, ou alma, chamada Wanderer entra no corpo de Melane. Tudo deveria sair bem, era pra Wanderer tomar posse do corpo de Melane e tentar descobrir alguma coisa sobre os humanos que estão escondidos, mas não é bem assim que as coisas acontecem. Wanda (apelido que ganha) começa a escutar os pensamentos de Melane, pois a mente da garota continua viva em seu corpo. Wanda então começa a ver a vida de Melane em sua cabeça e as poucos se apaixona pelas pessoas que Melane é apaixonada, como seu irmão e namorado.
Depois de alguns acontecimentos, Wanda decide fugir e encontrar essas pessoas que agora ela também ama. É então que tudo começa de verdade.
Já falei que o filme foi bem fiel ao livro, mas senti falta de algumas cenas e pessoas, como a namorada do irmão do Ian, ela fez um papel muito bom e interessante no livro, não somente por quem ela é, mas por nos mostrar outro lado do cara que a ama, mas não foi citada no filme.
Acho que o amor de Melane e Jared é bem mais intenso no livro, mas essa sensação é normal de se sentir, pois quando estamos lendo estamos mais conectados a história e temos muito mais detalhes.
O que mais senti falta, foi das cenas de Ian com Wanda, pois ele é o cara que mais gosto no livro, tão doce e amável, sem dizer que o amor dele por Wanda foi algo construído aos pouquinhos, mas se tornou tão grande e puro que nem mesmo ela sendo de uma outra raça o fez mudar de opinião. Ah, eu não posso me esquecer de comentar sobre o ator que fez o papel de Ian, o Ian que eu tinha imaginado era completamente diferente, tudo bem o cara tem olhos azuis, mas eu estava esperando alguém com olhos estilo Elijah Wood, pois no livro os olhos azuis de Ian são citados várias vezes, os grandes olhos azuis, eles que fizeram o personagem pra mim. Mas ok, se fosse só esse fato, mas não foi, achei o relacionamento dele com Wanda muito superficial no filme, não teve aquela emoção nem as lagrimas que derramei aos montes enquanto estava lendo. Senti muita falta disso, lagrimas. E não, eu não sou doida, nem depressiva, apenas acho divertido pra caramba chorar lendo um livro ou vendo um filme, pois isso mostra o quanto estou envolvida no negócio.
Já que falei do ator que interpretou Ian, vou falar sobre os outros atores também. Achei que Melane ficou perfeita, não é fisicamente parecida com o que eu tinha em mente, mas a atriz conseguiu passar a imagem de como ela deveria ser e eu adorei. Jared ficou ok pra mim e Jamie o irmão de Melane, eu o imaginava muito maior e com uma carinha de mais velho, mas gostei do garoto que o interpretou.
Outro ponto que preciso comentar, o filme foi fiel, digo isso pela terceira vez, eu sei que sempre queremos filmes fieis, ao menos é o que a maioria das pessoas quer, não é? Mas alguma coisa me diz que não é bem isso que queremos, não queremos filmes idênticos aos livros, pois assim não sobra surpresa nenhuma, nada de novo, você apenas espera pela cena que já conhece. É por isso que me pergunto, até que ponto um filme deve ser fiel ao livro?
Acho que o que queremos é que o filme não perca a essência do livro, que seja fiel em relação aos personagens e suas personalidades e que não perca o foco das coisas, mas acho que fazer algo muito idêntico não é a melhor opção, mesmo que essa seja melhor do que mudar totalmente a história e transformá-la numa muito pior que a original, isso a gente realmente não quer.
Eu gostei do filme, não posso negar, mas acho que boa parte desse sentimento é por amar o livro e não poder odiar algo que foi tão parecido com ele, mas a verdade é que fiquei um tanto quanto decepcionada. Pode ser por ter esperado tanto tempo pra assistir, por ser uma de minhas leituras preferidas ou por simplesmente não ter conseguido sentir as mesmas coisas que senti com o livro, não sei. Fico pensando que quem assistir sem ter lido o livro irá ter uma visão errada da história, mesmo ela estando tão parecida. Minha dica é que você leia o livro, antes ou depois, mas leia, irá fazer muita diferença, acredite.
Enfim, no final das contas o filme foi bom, só não foi o que eu esperava. Continuarei amando o livro um milhão de vezes mais, mas isso é bem normal, na maioria das vezes o livro é melhor mesmo.

PS- Ah, eu já ia me esquecendo, o que foi aquilo no final? Que atriz mais estranha pra fazer aquele final, a garota do livro era loira com “pelinhos dourados” para todos os lados, que coisinha mais esquisita que ficou essa atriz que colocaram. 
Emily Browning é linda, mas que ficou estranho, ficou. Quem concorda com isso? 


domingo, 21 de abril de 2013

Sorteio entre amigas


Olá, meus queridões e queridonas,


tenho uma notícia muito boa e acho que vocês irão gostar. O blog da amiga e parceira, Isie Fernandes (de Dai pra Isie) completou três aninhos de vida e para comemorar nós resolvemos nos juntar e fazer um sorteio. Iremos sortear um de meus livros favoritos e outro que será uma surpresa da editora Novo Conceito, espero que vocês gostem!


  • 1 Exemplar de A Hospedeira
  • 1 Exemplar Surpresa da Novo Conceito 2013
Para participar é muito simples, basta preencher corretamente o formulário on line abaixo - em caso de dúvida no preenchimento, consultem o Tutorial Rafflecopter.
                    


                    Formulário
Banner para divulgação
A promoção começa hoje, 21 de abril, e será encerrada à meia-noite do dia 26 de maio. Algumas horas depois, sairá o resultado. O ganhador terá direito a escolher um (01) Exemplar Surpresa lançado pela Novo Conceito em 2013, dentre os títulos que lhe serão apresentados como disponíveis. Lembrem-se de conferir os Termos e Condições no final do formulário Rafflecopter. 

Desejo a todos muito boa sorte!

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Você não gosta de ler? Por quê?


Pessoal,

Assim como eu, vocês já devem ter percebido que as pessoas ao nosso redor quase não leem livros, algumas nunca leem, isso é muito triste, eu sei, além de ser chato, pois você não encontra uma única alma boa pra poder conversar sobre aquele livro incrível que acabou de ler.
Pois bem, resolvi fazer uma pequena pesquisa com algumas pessoas que me rodeiam, pra descobrir o por que delas não gostarem de livros.
Fiz essa pergunta pra homens e mulheres com idades diferentes e o resultado vocês irão conferir agora. Espero que gostem!



Eduardo, 4 anos.
"Eu ainda não sei ler, mas sempre peço pra minha mãe ler pra mim."










Carol, 19 anos.
"Não gosto de ler, pois no tempo que tenho livre, prefiro descansar." 














Pedro Paulo, 18 anos.
"Ler? Que nada, eu prefiro jogar no PC."















Danilo, 29 anos.
"Eu adoro ler. Infelizmente não tenho muito tempo pra isso, quando sobra um tempinho, tenho que ler coisas da faculdade ou do trabalho, não sobrando tempo pra ler coisas que leria por prazer."

Renata, 47 anos.
"Gosto muito de ler, mas sou professora, trabalho o dia todo e não me resta tempo pra isso."














José, 49 anos.
"Não gosto de ler, prefiro ver filmes."

Waldemar, 87 anos.
"Minha filha, eu nem ao menos consigo ver meu reflexo no espelho de manhã, imagina alguma letra numa folha de papel... Gosto de escutar rádio, mas isso também tem se mostrado uma tarefa complicada nos últimos anos, pois meus ouvidos também já não estão lá essas coisas, então escutar rádio exige um certo esforço da minha parte, mas é o que tem pra hoje, é isso ou nada, pois televisão é pior ainda, não vejo e nem escuto direito, ver televisão significa esforço dobrado."

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Sussurro



Faz tempo que quero ler esse livro, faz tempo que vejo resenhas sobre ele, mas só hoje, depois de passar o dia todo estudando pra uma prova, decidi ler o livro pra me distrair um pouco e livrar meus pensamentos da Constituição Federal.
Bem, vou começar falando sobre a história, iremos conhecer uma garota que tem uns quinze, dezesseis ou dezessete anos, não me lembro, mas é por ai, ela está no colegial, ela conhece um garoto misterioso que estuda na mesma sala que ela, ele é lindo, forte, alto, sarcástico e sabe como dar uma bela cantada, é claro, ele tem que ser o cara perfeito. O problema é que coisas estranhas começam a acontecer com Nora e algo lhe diz que Patch, o cara perfeitão, está envolvido nesses acontecimentos.
Nora sabe que algo estranho acontece com Patch, que ele esconde algo e ela começa a fazer de tudo para descobrir o que é. A garota tem um negócio de repórter no sangue, quer saber e descobrir tudo sobre todos.
Ela tem uma amiga, uma melhor amiga que se chama Vee, ela é legal, aquela amiga meio doida que só quer saber de garotos e nesse caso especifico, em comida também, ela adora comer, mas está sempre inventando dietas malucas.
Eu nem preciso dizer que a história fala sobre anjos, preciso? A capa fala por si só e é claro que você pensa que Patch é um anjo logo do inicio. Eu gostei dele, achei charmoso e sua personalidade é legal, pra mim ele é o melhor personagem do livro. Só quero saber uma coisa, você já deve ter percebido isso em outros livros também, o cara gostosão que a garota gosta, aquele que tem aquela pegada bad boy, ele sempre usa roupas pretas, camiseta preta, calça preta, sapatos pretos e na maioria das vezes são botas, por que isso acontece?  Vamos mudar um pouco esse negócio, minha gente.
O livro fala sobre os nefilins também, eles são os filhos de anjos caídos com seres humanos, meio anjos e meio humanos. 
Eu gosto de histórias assim, o problema é que estou decepcionada, eu gostei da história, mais ou menos, quer dizer, ainda tenho mais três livros pela frente para terminar a série, então ainda tenho muito chão para poder mudar minha opinião e eu espero realmente que ela mude, pois tinha colocado muita expectativa nesse livro.
A história é meio clichê, eu adivinhei a maioria das coisas, pois elas estão meio que esfregadas na sua cara. É bonitinha, mas a gente não sabe o motivo pra ele gostar dela, o motivo pra tudo estar acontecendo, minha sensação foi de algo forçado, um amor forçado para a história ter um sentido e uma continuação. Novamente, espero que coisas sejam reveladas nos próximos livros e que esse meu pensamento seja trocado por outro bem diferente. Eu quero amar a série, sabe como é? Já sentiu algo assim? Querer amar algo, mas não conseguir? Ah, que frustrante!
Ah, mais uma coisa, não foi só o amor que achei forçado, muitos acontecimentos ficaram meio bobos pra mim, sem sentido, no final do livro coisas acontecem e eu fiquei com aquela cara de ódio mortal, como quando alguém faz uma coisa totalmente errada sendo que existe um milhão de opções diferentes pra ser feitas. Tipo, estou sendo enganada na cara dura, cadê o cara pra salvar a menina? Ele estava bem ali, não faz nem 3 minutos e agora ele sumiu? Eu sei que está confuso, pois não posso dizer do que se trata, se não eu conto tudo e acabo dizendo coisas que não deveria.
Acho que vou parando por aqui, não sei mais o que dizer, mas por hora, não gosto dessa série, quer dizer, dá pra passar o tempo, é até gostosinha de ler, mas não mudou minha vida.. Que triste!
Se alguém leu o livro, me diga o que achou. Preciso saber opiniões diferentes.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

A Seleção



Faz um bom tempo que vejo esse livro nos canais do Youtube ou em resenhas em blogs, sempre achei a capa linda de morrer, mas nunca tinha realmente parado pra conhecer a história e nunca tinha sentido aquela vontade tentadora de ler, até que essa vontade chegou.
A Seleção vai contar a história de America, a garota da casta número cinco que vive em um mundo de distopia, onde os Estados Unidos não existe mais, em seu lugar um outro país foi criado, um que nem ao menos queria carregar seu antigo nome, pois depois de ter passo para Estado Americano da China, onde a China controlava tudo, eles decidiram colocar o sobrenome de seu novo “fundador/salvador” Cregory Illéa.
América é uma filha de Illéa, nesse mundo as pessoas são dividas por castas, sendo a maior e mais rica a de número um e última e mais pobre sendo a casta número oito. América é uma cinco, por isso não passa tanta necessidade como, por exemplo, um seis ou um sete, mas ainda sofre pela falta de dinheiro. Os cincos são normalmente artistas, músicos, pintores, cantores, esse tipo de coisas, ela toca muitos instrumentos, tem uma voz lindíssima e é uma coisa de dar nojo de tão linda, ruiva, olhos azuis muito frios e pele perfeita de porcelana, ou seja, é aquele tipo de mulher que faz você se sentir a coisinha mais feia do mundo, mas ela é muito doce e generosa, embora tenha um gênio muito forte.
Nesse mundo que estamos falando existem reis e rainhas, as filhas desses reis, no caso as princesas, só de casam com pessoas de sangue azul, mas os príncipes se casam com plebeias, seria uma forma de dar esperança ao povo, uma esperança de que qualquer uma, não importa sua casta, poderia um dia se tornar rainha também.
Pois bem, o príncipe Maxon completou dezenove anos e chegou a hora de encontrar uma princesa, então logo começa a seleção. Moças entre dezesseis e vinte anos se inscrevem, mas apenas trinta e cinco serão selecionadas.
América nunca quis entrar na seleção, mas sua mãe tenta obrigá-la, pois a família de uma selecionada ganha uma quantia em dinheiro todo mês e mesmo se ela não for escolhida pelo príncipe, ela ficará famosa e eles poderiam sair da miséria. Acontece que a garota já tem um namorado, mesmo que isso tenha que se manter em segredo, pois ele é um seis e as castas não podem se misturar, sem dizer que sua mãe iria querer matá-la se soubesse que namora um seis, o sonho da mãe é que ela se case com um três ou no máximo um quatro. Sim, é possível que eles se casarem, mas a burocracia é enorme quando as castas são diferentes. Ah, e nesse mundo você é proibido de ter relações sexuais antes do casamento, não importa se você e seu parceiro sejam da mesma casta, é uma forma de prevenir doenças e filhos de castas misturadas.
Aspen é o nome do namorado pobretão da garota, ele é tão lindo, tão meigo e carinhoso. Você morre de pena dele, pois está magro, fraco, trabalha pra sustentar a família toda e se senti culpado por não poder dar nada do que América merece, ele não tem nada para oferecer, somente beijos e vislumbres de seus lindos e encantadores olhos verdes.
América não se importa que Aspen seja um seis, quem se importaria? Ele é perfeito, mas o problema é que Aspen se importa com isso, ele diz que a garota precisa se inscrever na seleção, para ao menos ter uma chance, para que ele não se sinta culpado pelo resto da vida, pensando que ela poderia ter tido uma chance de ter uma vida melhor e a perdeu por sua culpa. Então mesmo forçada, América se inscreve e é claro, ela é selecionada, pois se não o livro não teria sentido, nem o nome dele e não haveria história se isso não acontecesse.
Fiquei muito dividida nessa história e olha que na grande maioria das vezes sempre escolho um lado e continuo fiel a ele até o fim, mas Aspen que me perdoe, eu o trai, não literalmente, pois não sei se prefiro Aspen ou o príncipe Maxon, não sei, não posso me decidir, tenho até dó de América, pois se eu estou dividida, imagina só a coitada da garota. Primeiro eu me derreti por Aspen e não senti nada quando conheci o príncipe, mas da metade do livro pro final, comecei a mudar de opinião, então passei a detestar Aspen e adorar Maxon, mas então voltei a amar Aspen, mas sem deixar de ter sentimentos por Maxon e no final das contas fiquei assim, uma confusão sem fim e não posso me decidir, ao menos não nesse livro, quem sabe no livro dois ou três esse fato mude.
Bem, América achava que Maxon era mimado, riquinho, convencido, chato e bla bla bla, mas ele não é nada disso, ele é adorável e passa uma confiança estranha para a garota. Então ela começa a se envolver com ele, mas sem deixar de sentir coisas fortes por Aspen.
Eu adorei o livro, você se vê no lugar das trinta e cinco moças selecionadas, algumas você odeia, outras você torce e adora, a história é bem leve, do tipo tranquilo que quase todas as garotas iriam gostar.
Só não posso deixar de mencionar a semelhança que encontrei entre esse livro e “Jogos Vorazes”, isso mesmo, embora uma história seja completamente diferente da outra, as semelhanças existem. Como por exemplo, o fato de tudo ser filmado, a seleção, as moças, os encontros com o príncipe, tudo ser televisionada em um canal público, da mesma forma que o pessoal de Jogos Vorazes é filmado. As classes sendo dividias e tendo os rebeldes da história encontrados na classe mais baixa, isso não é spoiler, fiquem tranquilos, um apresentador de televisão que todos amam e algumas chicotadas em publico na praça da cidade. Enfim, coisas pequenas, diferentes entre si, mas parecidas, não pude deixar de comentar.
Eu adorei o livro e estou louca pra ler a continuação, mas outro fato que também não posso deixar de comentar, é que o final me incomodou muito, não penso da mesma forma que outras pessoas que leram o livro, pois algumas dizem que dava pra essa história acabar num único livro e não em três, não acho que tudo poderia ser resolvido em um só livro, mas a forma que esse terminou... Deveria ao menos ter tido um encerramento sobre esse assunto, não irea dizer do que se trata, se não eu estaria contando o final, mas poxa, que sacanagem deixar esse acontecimento “aberto”.
Enfim, no geral o livro é bom, linguagem muito simples, tudo muito leve, amores proibidos, amores escondidos, amores sedutores, amores confusos e indecisos, amores, amores por todos os lados, brigas, ataques, coisinhas boas e frescas de mulher, beijos secretos, a garota malvada e chata que está entre as trinta e cinco selecionadas, saudades da família, dinheiro, falta de dinheiro, pobreza, riqueza, momentos felizes, momentos tristes, momentos fofos e complicados... Tudo o que nós, mulheres, (ou a maioria de nós) gostamos. Leia. :)

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Kobo Glo

Olá queridões e queridonas,

já tinha comentado com vocês que logo iria postar algo relacionado ao Kobo, então aqui está a resenha do meu precioso.
Espero que gostem.
Qualquer dúvida, pergunta ou o que for, é só deixar aqui nos comentários.

Até a próxima :)