Traduzir

domingo, 30 de junho de 2013

Guerra Mundial Z


Finalmente! Depois de uma longa e dolorosa espera, o cinema do shopping de Araraquara resolveu fazer um ato de bondade e liberar um filme legendado.
Quando vi o trailer do filme Guerra Mundial Z,  fiquei pensando que esse é aquele tipo de filme que vale a pena ver no cinema, mas como aqui na minha ingrata cidade os cinemas nunca passam filmes legendados, por algum raio de motivo desconhecido ou não tão desconhecido assim, pois as pessoas dessa cidade parecem adorar um filme dublado. Enfim, nem me animei, pois sabia que não iria rolar, prefiro não ver o filme do que ter que ver dublado, é sério, sinto um ódio mortal e descontrolado por dublagens. Kkkk
Mas por algum milagre quando fui olhar as sessões dessa semana no site, vi a palavra “legendado” estampada, brilhando na frente do filme. Meu coração disparou, fiquei sem ar, levantei as mãos para o céu e dei graças. Kkkk
Havia apenas uma sessão, uma única sala, num único horário, mas já era alguma coisa.
Mas chega de falação e vamos logo ao que interessa, acabei de chegar do cinema e estou muito feliz. O filme foi muuuuito legal! É um filme de zumbi, ok, mas sei lá, boas histórias sobre zumbis nunca são demais pra mim, eu adoro zumbis, já falei isso alguma vez? Sim, eu sei que já falei, mas não custa relembrar.
O filme foi em 3D, o que fez tudo ser muito melhor, mesmo com as porcarias e velharias dos óculos que recebemos nesse cinema dos infernos. A história de como tudo começou é mais ou menos como as de sempre, um vírus surge, as pessoas começam a se transformar e depois saem correndo pelas ruas matando tudo que está vivo. Essa parte sempre será igual, ao menos até hoje foi assim, é assim que funciona a coisa. Alguns detalhes mudam de filme para filme, nesse as pessoas se transformam em questões de segundos, entre 10 e 12, pra ser mais exata. Os mortos sabem correr também, ah, como eles sabem correr e não se importam de esborrachar suas cabeças enquanto tentam quebrar o vidro da janela de seu carro.
O filme é pura ação, do começo ao fim, você fica tenso o tempo todo e confesso ter apertado a mão da pessoa ao meu lado umas duas vezes, no mínimo, embora não tenha sentido medo ou coisas do tipo, eu adoro filmes de terror e é uma raridade eu me assustar com algum.
Ah, não poderia deixar de comentar sobre uma frase dita no filme e que em minha opinião daria uma ótima tatuagem, “cada humano salvo é um zumbi a menos para combater”, não lembro as palavras exatas, mas foi basicamente isso e faz todo sentido. Na maioria dos filmes desse tipo, as pessoas se isolam e não deixam mais ninguém entrar, mas nesse elas se ajudam e tentam se salvar, pois com isso evitam que mais zumbis se transformem.
Brad Pitt foi incrível, como sempre, ele nos cativa e nos faz torcer por cada passo que dá, adorei sua atuação, mas isso não é novidade, desde “Entrevista com o Vampiro” que eu o adoro.
O final do filme também é muito legal, eu teria feito o mesmo se estivesse naquela situação, tudo está perdido mesmo, ué.


Muita gente pode dizer que é só mais um filme sobre zumbis e parando pra pensar, pode mesmo ser, mas quer saber de uma coisa? Eu não ligo, foi muito legal sim, eu adorei e como já disse, boas histórias de zumbis nunca serão suficientes para mim. 

terça-feira, 25 de junho de 2013

Meu Namorado é Um Zumbi

Dead sexy? Hmmm, acho que não! 


Preparem-se para escutar algo incrivelmente estranho, mas eu não odiei esse filme. É verdade, não foi tão ruim quanto eu imaginava que seria. Eu li o livro, caso queria ver a pequena resenha  (pois não sabia o que dizer) que fiz sobre ele é só clicar AQUI. O livro não é bom, não gostei, achei a garota muito chata e tudo muito sem sentido. Tudo bem, o filme também é sem sentido, mas o livro consegue ser ainda pior. No livro muitas coisas doidas acontecem que não são mostradas no filme, ainda bem.
Imagino que todo mundo saiba do que se trata a história, não é? Acho que todo mundo conhece as falações sobre o zumbi que se apaixona por uma humana, mas pra quem não conhece, bem é isso mesmo, um zumbi se apaixona por uma humana.
R é o nome dele, na verdade é a primeira letra do nome, pois ele não se lembra do resto. Nessa história os zumbis não são apenas pedaços de carne ambulantes famintos e querendo cérebros, bem, eles são sim, mas são muito mais do que isso. Eles pensam, falam, mesmo que bem lentamente e com sons estranhos, mas falam, uma coisa muito doida.
R é um zumbi diferente dos outros, pois ele se incomoda demais em ter que matar pessoas, mas se ele não fizer isso, morre de vez, morre mesmo, deixa de ser um zumbi, ele precisa matar pessoas pra continuar “vivo”. Mas tudo isso muda quando ele conhece Julie, ele mata o namorado dela e isso não é nenhum tipo de spoiler, então ele mata o namorado dela, come o cérebro dele e consegue ver todas as memórias do garoto, nessa história quando um zumbi como o cérebro de alguém ele passa a ver as lembranças da vida da pessoa. Então R se apaixona por Julie e resolve ajudá-la, ele consegue salvar a garota e a leva pra sua casa improvisada dentro de um avião.
É tudo muito bizarro, pois não é essa visão que estamos acostumados, não é normal um zumbi sentir algo, ele deveria ser apenas um doidão em decomposição querendo comer gente, certo? Mas acho que a forma que fizeram o filme, o fez ficar “não tão ruim assim”, pois no filme eles levaram a coisa toda para o lado da comédia, diferente do livro que não foi feito pra ter graça, ao menos eu acho que não, pois não achei engraçado.
Mas o filme foi feito pra ser engraçado e estranhamente e inacreditavelmente, eu dei risadas. Se lá, é tanta bizarrice que eu não me aguentei, acho que fizeram bem em ter levado para o lado da comédia, pois se fizessem um filme sério, teria sido muito ruim. Até meu filho de cinco anos de idade, que estava vendo o filme junto comigo, olhou pra mim e disse nunca ter visto um zumbi que podia falar, até ele achou estranho.
É estranho, é bizarro e uma coisa que me irritou um pouco, foi que eles colocaram o zumbi R arrumadinho, com a roupa só um pouquinho rasgada, não detonaram tanto com ele, tudo bem que ele não está podre no livro, mas ele não está em um estado tão bom quanto no filme. É que nos filmes de hoje eles precisam colocar um carinha bonitinho pra fazer com que as meninas pirem e não se importem com a história em si, desde que tenha um carinha  bonitinho.
Só um comentário, eu não acho o ator bonitinho, achei ele muito esquisitinho, pra falar a verdade, mas acho que combinou com o R do livro.

É claro que esse filme não irá fazer nenhuma diferença na sua vida e se você gosta de zumbis, dos verdadeiros zumbis, provavelmente irá sentir muita raiva do filme. Foi uma surpresa enorme eu não ter detestado, pois adoro os zumbis no estilo The Walking Dead, mas foi bom não ficar com raiva e nem sentir que estava perdendo meu tempo enquanto assistia, deu pra dar umas risadas... 
Ah, já ia me esquecendo de dizer, a trilha sonora está DEMAIS!!!

sábado, 22 de junho de 2013

Eu Falo e Você Escuta - Cérebro ou beleza?


Resolvi fazer uma coluna aqui no blog sobre coisas que acontecem no dia-a-dia da gente ou nesse caso, no meu dia-a-dia, coisas que acontecem e que fico sem acreditar ou apenas coisas engraçadas que eu queria contar. Estou inaugurando a coluna “Eu Falo e Você Escuta”.
Enfim, hoje irei falar sobre uma pequena conversa que tive com duas meninas, duas irmãs muito parecidas, não somente na aparência, mas em todos os sentidos. O que infelizmente é uma pena, pois ambas compartilham do problema de cabeça vazia.
Nós estávamos conversando quando uma pessoa apareceu e fez uma pergunta, ela disse que haviam lhe perguntado isso mais cedo e que queria saber nossas opiniões. A pergunta foi muito simples, “se você pudesse escolher entre ser muito linda ou muito inteligente, qual das duas escolheria?”
É claro que todo mundo quer ser as duas coisas, certo? Todo mundo quer ser inteligente, ao menos eu espero que todos queiram e quase todo mundo quer ser bonito também, mas se pudesse escolher apenas uma das duas coisas, qual seria?
A palavra “INTELIGÊNCIA” logo surgiu em minha mente em letras grandes e em negrito. É claro que quero ser bonita, mas pra mim inteligência é algo muito mais desejado, sem sombra de dúvidas, é obvio, não é?
Bem, mas não foi essa a resposta que as duas irmãs parecidas responderam, elas olharam uma para a outra com um leve sorriso no rosto, depois olharam pra mim e disseram em uníssono, “é claro que escolhemos beleza”. Pronto, meu mundo caiu, fiquei olhando pras duas com cara de paisagem.
Não estou querendo julgar ninguém, mas já julgando, acho que quem escolhe a opção beleza, não possui muito da segunda opção. Desculpe, mas é isso que penso.
E só pra deixar um pequeno comentário extremamente pessoal, as duas irmãs não tinham nenhuma das duas opções, nem beleza e nem inteligência.  Inteligentes é claro que elas não são e sobre a beleza, elas me provaram naquele exato momento que também não possuem. Beleza é algo muito subjetivo e pra mim ela muda o tempo todo, as palavras e atitudes das pessoas que me fazem achá-las bonitas ou não.
Depois desse dia fiz essa pergunta pra mais algumas pessoas e para minha infelicidade, muitas responderam beleza. Isso me fez sentir pontadas de dor até no dedinho do pé, minha gente como que pode uma coisa dessas?
O lado bom é que algumas pessoas deram uma risada sínica, como se eu fosse uma tonta por fazer essa pergunta e responderam inteligência.
É a vida, a gente não pode mudar todas as coisas que nos incomodam, mas mesmo assim consegui ficar feliz, mesmo com as poucas pessoas que escolherem inteligência, isso prova que nem tudo está perdido, que a cada cem pessoas rebolando até o chão, uma delas estará lendo um bom livro enquanto toma chá ou come chocolate usando um pijama todo detonado. O número é bem pequeno, é verdade, mas o importante é saber que ainda existem pessoas como a gente e isso me dá esperanças. 


quarta-feira, 19 de junho de 2013

O Futuro de Nós Dois


Descobri esse livro num naqueles vídeos de lançamentos do mês do "Cabine Literária" (adoro os vídeos do Gabriel e do Danilo). A primeira coisa que pensei, foi que a história parecia ser diferente, tanto pelo ano em que se passava, tanto pela ideia central.
O história do livro se passa em 1996 e iremos conhecer Emma e Josh, dois vizinhos que são amigos desde sempre, mas uma coisa estranha acontece na vida deles. Numa certa manhã Emma recebe o computador que seu pai lhe enviou, Josh vai até a casa de Emma e lhe dá um CD para instalação da internet discada, que era a usada naquela época. Tudo parece normal, mas então a tela do Facebook surge em seu monitor, mas em 1996 o Facebook ainda não existia. Então a garota fica olhando para tela sem entender nada, sem saber o que é aquilo, até que vê a foto dela mesma no quadradinho esquerdo da tela. Era ela na foto, mas ela estava bem mais velha e casada também. Em primeiro momento Emma pensa que é uma brincadeira de alguém, mas depois que encontra o Face de Josh e de todos os que ela procura, percebe que a coisa é muito maior do que uma simples brincadeira e que ela está olhando diretamente para o futuro.
Uma janela para o futuro e ela pode espiá-lo todos os dias, cada coisa diferente que ela faz, afeta alguma coisa no futuro e as coisas mudam.
A garota fica meio doida, começa a mudar todo seu futuro, pois não gosta do cara que está casada e acha que sua vida está ruim demais, enquanto isso Josh fica brigando com ela, pois adora o futuro que viu pra ele, não quer que nada mude em sua vida e tem medo que Emma estrague isso.
O livro é bem legal e divertido, é narrado por Emma e Josh que sempre foram amigos, mas faz algum tempo que não são assim mais tão chegados.
Josh é um garoto ruivo e meigo, adora andar de skate, eu fiquei apaixonada por ele.
Emma é uma garota de cabelos cacheados que adora correr, está sempre se exercitando.
O fato da história se passar em 1996 faz tudo ser mais divertido pra mim, é tão estranho ver pessoas usando internet discada, eu me lembrei do barulho que ela fazia quando a gente ligava, vocês lembram? Usando discman, tendo que usar lista telefônica para achar algum número, só os ricos usando celulares. Kkkk
Achei original, mas nada surpreendente. Dá pra ler numa boa, é gostosinho de ler e você não fica com sensação de tempo perdido no final. Sabe aquelas historinhas que a gente lê quando quer algo leve, jovem e bonitinho? Esse livro é exatamente assim e eu recomendo.

O que mais gostei é que irá virar filme, isso mesmo, o livro fez tanto sucesso que irá ter sua adaptação, estou doida pra assistir... 

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Bates Motel - 1º Temporada


Quem aqui conhece o filme “Psicose”? Se você respondeu não, tudo bem, muita gente pode não conhecer, mas tenho certeza que conhece aquela cena em que o cara puxa a cortina do banheiro, começa a esfaquear uma moça e aquela musiquinha “fin fin fin fin” começa a tocar. Você conhece essa cena, certo? Se sua resposta para essa pergunta também foi não, tudo bem, é só clicar AQUI e descobrir sobre o que estou falando.
Esse filme conta a história de Norman Bates, um cara aparentemente muito doce e tímido que é dono do Motel Bates, mas na verdade ele é um psicopata. É um filme bem antigo de Hitchoock, mas foi baseado em um livro.
A série que irei falar hoje é nova, terminou a primeira temporada de dez episódios há pouco tempo, mas já foi renovada para a segunda temporada, o que me deixa muito feliz.
Na série iremos conhecer a adolescência de Norman e como ele se tornou o cara que ele é no filme, como ele virou esse psicopata, ou seja, muito legal.
A diferença é que passaram a história para o nosso século, acho que por ser mais fácil, mas as casas, os lugares, tudo possui um ar de coisa antiga, os móveis, as coisas, tudo com cara antiga.
Eu gostei bastante dessa primeira temporada. No terceiro episódio pensei ter descoberto tudo o que iria acontecer, mas eu estava enganada, acho que seria obvio demais se tudo o que imaginei acontecesse. Muita coisa eu pude adivinhar, mas outras foram diferentes e isso é muito bom.
Bem, quem conhece o filme sabe que a mãe de Norman, a senhora Norma (sim, ela tem o mesmo nome que o filho) é uma mulher muito controladora e influência demais o filho.  Iremos conhecer mais esse lado dominador dela.
Adoro o garoto que faz o papel de Norman, Freddie Highmore, ele é aquele garotinho que fez o filme “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, pois pra mim ele tem uma cara de doido, o modo como ele anda, sei lá, se eu não soubesse diria que ele não é muito normal. Kkkk
Também adoro o irmão de Norman, Dylan, ele pode parecer aquele tipo de cara errado, aquele filho que ninguém quer ter e o bad boy da história, tudo bem, ele é meio bad boy mesmo, mas pra falar a verdade, ele é a única pessoa normal naquele motel.(só pra deixar claro, aqui no Brasil motel é bem diferente que em outros lugares no mundo, pois em vários lugares motel é apenas um hotel de estrada)
Enfim, até agora estou adorando a série, achei muito legal a ideia de mostrar a vida de Norman antes de ser quem ele é, a série seria legal mesmo se não fosse sobre a vida de Norman Bates, ela também seria ótima se fosse uma série comum, mas acho que o que a deixa ainda melhor, é o fato de sabermos que o garoto não terá um final feliz, que ele não irá se curar e ter uma vida normal, sabemos como tudo termina. Também não posso deixar de fazer um pequeno comentário, pois isso não é nada mais, nada menos do que uma RELEITURA, pois é, o mundo de hoje só vive assim, releituras e mais releituras.
Mas tudo bem, se a releitura for boa, eu não me importo. 

sábado, 8 de junho de 2013

Maquiagem pin up



Olá, meus queridões e queridonas,

eu tinha dito que não iria ficar postando aqui no blog todos os vídeos sobre maquiagem que eu fizer, mas irei postar esse aqui, só pra lembrá-los de se inscrever em meu canal, pra poderem receber os vídeos novos, ok?
Ou talvez eu post aqui todos eles, tudo depende da frequência em que serão feitos. :)
Enfim, não tenho nada muito especial pra dizer, mas fiz esse vídeo por um motivo muito especial, em breve irei dizer qual foi esse motivo...


Até mais :)

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Doce Vampiro


Dei boas risadas lendo esse livro, achei muito divertido, mas não tome isso como base para alguma coisa, pois normalmente não acho graça de coisas que a maioria das pessoas acham.
Fiquei muito curiosa sobre esse livro, pois achei a ideia original. Enquanto todo mundo fica escrevendo sobre vampiros melancólicos e lindos, nesse livro iremos conhecer um garoto que finge ser um vampiro, pois sabe que as garotas ficam alucinadas com essa ideia.
Finbar Frame é um garoto do segundo ano, tem mais de um metro e oitenta de altura, pesa uns sessenta quilos, tem alergia ao sol, por isso é mais branco do que folha de papel, seus olhos são azuis, mas não azuis comuns, azuis muito pálidos, Muito pálidos mesmo. Ele adora ler e assistir filmes românticos com sua mãe doida de pedra e viciada em limpeza. Ele é doce, simpático, muito romântico, se importa com as pessoas, mas é totalmente sem jeito, não sabe como se comunicar com garotas e é muito tímido. Devo dizer que ele gosta MUITO de meninas, ele deixa isso bem claro, mas não sabe como conseguir uma namorada.Tudo muda quando ele decide se tornar um vampiro. Ok, uma garota alucinada deu essa ideia pra ele enquanto estavam pegando o ônibus, mas em todo caso, ele decidiu fazer sua transformação. Começou lendo todos os livros sobre o assunto que encontrou pela frente. Branco quase transparente ele já era, já não podia ficar exposto ao sol, ele só precisava ser reservado, melancólico, ter aquele olhar assustador de matar, dar respostas filosóficas, andar com um ar misterioso e não comer nada perto das pessoas... Prontinho, assim ele se transforma num perfeito vampiro.
O pior é que as pessoas acreditam na mentira de Finbar, acho que é como dizem por ai, as pessoas acreditam naquilo que querem acreditar, não é?
O livro foi mesmo engraçado, Finbar me fez rir muitas vezes com suas teorias malucas ou pensamentos pervertidos, até mesmo com sua pureza, sim ele é muito puro, mas acho que passa tempo demais pensando em seios grandes...
De uma forma ou de outra o livro tira sarro dessas pessoas malucas que ficam alucinadas com os vampiros e lobisomens, ele também é curtinho, li em uma tarde e não é nada que vá mudar sua vida para sempre, nada que vá fazer você mudar sua forma de pensar e ver o mundo, mas funciona muito bem se o que você procura é uma história divertida que te faça dar umas boas risadas ou então um romance adolescente diferente.
Finbar é um personagem adorável, assim como seu irmão gêmeo hiperativo Luke, aliás eu concordo com Fin em uma coisa, Luke ficou com um nome legal e ele teve que ficar com Finbar. Que pai daria um nome desses para um filho?
Mas voltando ao assunto, Fin está na minha lista de personagens preferidos e mesmo que a história não seja nada extraordinária, me conquistou... 

domingo, 2 de junho de 2013

Oz - Mágico e Poderoso


Agora o que mais está na moda é fazer releituras de clássicos, não é mesmo?
Uma onda gigante de filmes desse tipo resolveu desabar sobre nós nos últimos tempos, perdi as contas de quantas releituras assisti, não somente em filmes, mas também em série, mas essa última devo dizer que foi uma surpresa muito boa que tive, logo farei resenha sobre a tal série.
Acabei de assistir "Oz- Mágico e Poderoso", mas não venho aqui dizer coisas ruins sobre o filme ou então o quanto me decepcionei, pois o sentimento que tenho agora é bem diferente disso.
Eu adoro todos os clássicos e o Mágico de Oz não fica fora de minha lista, nem de longe.
O filme não irá contar a história de Dorothy e sua caminhada pela estrada de tijolos amarelos, mas sim como Oz se tornou o Mágico de Oz. Sim, ele tem o mesmo nome do reino, pois foi predestinado a liderar aquele povo.
Bem, acho que o fato que fez toda diferença pra mim, foi que o tal mágico, não é nem um pouco mágico, ele é apenas um charlatão que não sabe fazer nada além de truques baratos. Isso mesmo, Oz é um mágico fajuto que vive fugindo e destruindo corações de pobres mulheres desavisadas. É claro que no decorrer da história esse fato muda, se não a gente não teria história nenhuma.
Oz precisa salvar seu povo do reinado da bruxa má que os oprime, ameaça e destrói quem não a obedece, mas ele não faz ideia de como fazer isso, muito menos se quer fazer, mas a grande recompensa em ouro o faz mudar de ideia e por esse único motivo ele resolve ajudar nessa batalha.
O filme é divertido e as imagens são realmente muito bonitas, eu particularmente adoro esse tipo de fantasia, dessas que já te conquistam apenas com a imagem, mas não é só de aparências que estou falando, a história é legal mesmo. Nada muito diferente ou surpreendente, pois estamos falando de uma releitura, mas o final foi mesmo diferente do que o esperado e posso dizer sinceramente que não me arrependi e não fiquei com sensação de tempo perdido e olhe que isso é uma grande coisa, pois a maioria dos filmes desse tipo que vi nos últimos anos me deixaram com muita raiva ou muito triste.

Então é isso, espero que você assista e que possa gostar tanto quanto eu.