Traduzir

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Eu Falo e Você Escuta - Espírito de Porco


Revoltada! Essa palavra quase consegue explicar o  tipo de sentimento que ando nutrindo em meu coraçãozinho.
Deixe me explicar melhor, na semana passada comprei um carro, vendi meu antigo e comprei esse que estou agora. Antes de tudo, quero dizer que não entendo absolutamente nada sobre carros, eu nem ao menos sei reconhecer o meu próprio carro estacionado. Se eu tenho um carro branco de duas portas, todo carro branco de duas portas é o meu, se eu tenho um carro rosa de quatro portas, consequentemente, todo carro rosa de quatro portas é o meu. Sempre tento entrar em carros que obviamente não são meus, as pessoas ao meu lado sempre dão risada, enquanto tento explicar que a cor do carro é a mesma e o número de portas também. Isso é um grande problema, pois já tentei entrar em carros errados demais em minha vida, mas isso nem ao menos vem ao caso, vamos voltar para o assunto de antes.
Estava indo tudo bem, o carro é confortável, com airbag até no quinto dos infernos e tudo, MAS e sempre existe um “mas”, ontem quando meu digníssimo esposo estava saindo do Polpatempo encontrou o excelentíssimo carro riscado por uma chave de um farol até o outro e um último risco no espelho. Pois é, eis o motivo para tanto ódio no coração essa semana.
Meu digníssimo esposo me telefonou para contar a incrível façanha que algum eterno filho da p*** (sim, sou uma lady e não falo palavrão, ao menos não em público) havia cometido com nosso querido e amado carro. Quando ele me ligou, juro pra vocês, me deu até vontade de chorar, mas acho que a vontade de pegar o lindo rostinho desse pequeno filho da p*** e esbofetear até ele ver estrelas cor-de-rosa foi maior que a de chorar.
Mas a pergunta que ficou martelando em minha mente e que não quer se calar é: Por quê?  Por quê?? POR QUÊ???
Por qual motivo, razão ou circunstâncias uma pessoa faz uma coisa dessas? Seria inveja? Algum tipo de doença mental? Problemas familiares? Drogas?
Eu realmente não faço ideia, não consigo entender como a humanidade pode ser tão maldosa assim. Riscar o carro alheio com uma chave vagabunda (não sei o motivo pra chave ser vagabunda, mas estou nervosa, então desconsiderem) não irá mudar a sua vida medíocre, você não irá ganhar mais dinheiro por isso, não ficará mais bonito e seu problema com drogas não será resolvido. Se alguma dessas coisas fosse acontecer, eu até entenderia o motivo pra alguém ter feito isso, mas como nada aconteceu,  minha vontade de esbofetear a cara do ordinário só aumenta.
Enfim, minha gente, a vida é dura, né? Mas posso dar uma noticia boa, o filha da p*** não serve pra nada, nem para riscar o carro alheio, não sabe nem fazer o serviço direito, pois com o produto certo, conseguimos tirar o risco do carro, ainda bem.
Foi isso, acho que expressar meu ódio aqui no blog me ajuda, ao menos não fico com coisas ruins reprimidas dentro de mim e posso compartilhar fatos inesperados, infelizmente nem sempre para o lado bom da força, com vocês.

Expressem seus sentimentos e me digam se coisas parecidas já aconteceram em suas vidas, ok? 

PS- o título do texto é espírito de porco, pois quando alguém faz algo como a pessoa que riscou meu carro, minha vó sempre olha com uma cara de indignação e diz que tinha que ser um espírito de porco mesmo. Isso faz algum sentido pra vocês? 

PS 2 - não sei exatamente o motivo pra ter colocado uma foto de meus olhos nesse texto, talvez no fundo de minha mente perturbada eu tenha pensado que o cara que fez isso com meu carro possa estar lendo esse texto e então possa perceber que eu estou de olho nele (e eu estou). Vai entender... 

13 comentários:

  1. Esse ano conseguimos comprar o nosso primeiro carro. É de segunda mão, mas tá muito bem conservado. Eu não sou muito apegada a ele, nem sei dirigir, mas sou meio maria gasolina, sabe? rsrsr
    Entendo sua dor. Fico revoltada quando alguém estraga minhas coisas. Qualquer coisa!
    Que bom que ficou tudo bem!
    beijos
    http://www.biancagsnunes.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Bianca, mas é a vida, né? kkkk


      Beijoos :)

      Eliminar
  2. Ainda bem que você colocou os dois "PSs"! kkkk ><'
    Enfim, isso nunca aconteceu propriamente comigo, mas uma vez uns moleques quebraram dois vidros (o traseiro e um lateral) do carro do meu pai. Nós só sabíamos que tinham sido uns que jogavam num campinho aqui perto de casa, e quando eles tavam jogando eu fui lá "Ok, quem foi que jogou uma pedra que quebrou o vidro do carro do meu pai?" e tdos ficaram apontando uns pros outros. E aí eu disse "O seguinte: da próxima vez conto pra mãe de vocês!" e um ainda disse que a mãe não ia fazer nada, e eu disse que ia fazer então. Aí os outros: "Uhhh...". Não tinha pra quê eu contar, mas me empolguei! rs Pelo menos depois dessa ameaça eles ficaram quietos. Antes tinham mania de ficar pedindo água (e se não desse ficavam xingando do portão!) e jogando pedras no telhado, e se aquietaram.
    Enfim, tudo deu certo pra nós.
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas
    Unicórnio com Bigode

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sel.

      Sabe, quando é criança, ainda dá pra relevar um pouco, mas se tratando de adultos, isso me deixa louca. Que triste, não?


      Beijossss :)

      Eliminar
  3. Que isso! Quanta raiva, em? Mas é plausível.

    Não há lógica mesmo para o fato, fizeram isso só por fazer, por acharem divertido infernizar a vida de algum desconhecido. Uma ação egoísta e estupida.

    Quanto a espírito de porco... hahaha essa eu já sabia. Ouvi muito isso na minha família também. Isso e mais o mito esdruxulo da história do chinelo virado poder matar seus pais. Um absurdo que me dá graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Michel, não teve motivo nenhum, maldade pura.

      Hahaha, também conheço essa do chinelo, mas eu nunca o virei de volta, sempre achei graça também. kkkkk


      Eliminar
  4. Camila, eu entendo perfeitamente a raiva que você sentiu, pois algo parecido aconteceu comigo.
    Há poucas semanas que eu havia comprado o meu carro fui com a minha mãe ao supermercado e, claro, deixamos o carro no estacionamento. Quando eu voltei havia um belo de um risco na primeira porta da esquerda. Fiquei indignada, sem entender o quê de uma pessoa fazer isso. O lamentável é que o meu carro é preto e o risco não saiu.

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É pra ficar indignada mesmo, Nina. Não me conformo!

      Meu carro também é preto, acontece que o risco do seu deve ser mais fundo que o do meu. É uma pena mesmo. :/

      Beijos :)

      Eliminar
    2. Verdade! Não dá pra entender.

      Camila, se não for muita intromissão você poderia, por gentileza, dizer o nome do produto que passou? Na verdade o risco do meu carro não é tão fundo assim...

      Beijos

      Eliminar
    3. Imagina, Nina.
      Perguntei pro meu marido, ele disse que usou a cera Grand Prix e que você pode usar qualquer cera polidora ou cera de número 2. Que pode até fazer um polimento 3M.
      Não me pergunte o que são essas coisas, pois não faço ideia, kkkkk só estou escrevendo o que ele me disse. kkkk
      Mas ele disse também que dependendo da profundida do risco, não dá pra sair assim, mas não custa nada tentar, né?
      Sorte com seu carro e espero que o risco desapareça.


      Beijooss :)

      Eliminar
  5. É realmente terrível quando alguém estraga algo nosso. Eu sou tão complexado com minhas coisas que acho que sou doido tem horas. Coisa nova tenho o máximo de cuidado; mas o problema é que nem sempre os outros tem o mesmo cuidado com as coisas alheias, né!

    Enfim, gosto bastante desses posts do Eu Falo e Você Escuta. kkk!

    Até, Camila! :).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Kkkkk que bom que gosta, pois sempre acho divertido escrever no Eu Falo e Você Escuta. :)

      Eliminar

Adoraria saber o que você está achando do blog, e da postagem...