Traduzir

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Carnaval? Me poupe!


Sabe o que eu acho sobre o carnaval? Eu o odeio, odeio com todas as minhas forças, acho que só gostava de carnaval quando era muito pequena, pois podia me fantasiar de coisas legais, como princesas ou fadas e meu avô sempre me dava aquele spray de espuma que eu achava a coisa mais maravilhosa do mundo. Sim, já fui uma pessoa de bom coração e já gostei de carnaval, mas foi algo muito passageiro, como podem perceber, me fantasiar de princesas e fadas até pode parecer divertido e o spray de espuma continua legal, mas não me atraem ao ponto de me fazer participar da festa.
Eu não vejo o carnaval da mesma forma que o resto do mundo vê, a maioria das pessoas que conheço ama essa festa, mas ama com tanta paixão, como se fosse a coisa mais incrível que existe no mundo.
Quando alguém começa falando que sou louca por detestar uma festa tão bonita, costumo responder de uma forma muito simples e eficiente, “vômito, DST e suor”. É isso, não venha me dizer outra coisa, cores vibrantes, pessoas dançando (até hoje vejo o samba como pessoas pulando na ponta dos pés e não vejo sentido nenhum nisso), música agitada, bem, isso pra mim não é legal, mas mesmo se fosse, não valeria a pena, pois o vômito, o suor e as doenças estão impregnadas no ar, você nem ao menos precisa fazer sexo não seguro com um completo estranho para pegar uma doença ou uma herpes, está tudo no ambiente, tudo voando no ar, só por estar lá, você se contamina só pelo fato de estar respirando aquele ar. Kkkkkkk
Tudo bem, você pode me achar exagerada e em certo ponto, sim, eu exagero, mas é para seu próprio bem, acredite em mim.
A verdade é que carnaval é só uma desculpinha pro pessoal sair pras ruas, beber até cair, beijar estranhos, transar com desconhecidos, fazer o que bem quiser e depois usar a velha desculpa de que no carnaval tudo é liberado.  Carnaval pra mim funciona quase como as festa de meu bisavô Juca, ele deve ter quase 100 anos, eu não faço ideia, não se lembra de ninguém, nem ao menos sabe quem é, mas todo ano minha família (a parte do meu pai), se reúne numa chácara enorme, todos querendo “comemorar” o aniversário do querido vô Juca, aquele que ninguém irá se lembrar pelos dias restantes do ano, só no próximo ano quando for seu aniversário outra vez. Eles só querem uma desculpa para juntar uma multidão, beber e festejar, com a desculpinha de que é o aniversário de quase 100 anos do Juca, mas o pobre Juca fica uns cinco minutos na festa e durante esse tempo ele fica sentando sem fazer ideia de onde está ou com quem está, “quem são eles?”, é isso que deve passar pela cabecinha dele.
Enfim, sai um pouco fora do assunto, carnaval, sim, eu estava falando sobre isso.
Vamos lá, pessoas dançando, você quer dizer mulheres praticamente peladas pulando na ponta dos pés, me desculpem, mas não vejo qual o ponto disso, qual o sentido? Tradição? Tudo bem, mas pra mim é uma tradição ridícula. É ridículo e nada vai mudar essa minha forma de pensar.
E o que eu faço no carnaval? Eu nem ao menos ligo a televisão, bem, eu geralmente não assisto televisão, mas de qualquer forma, no carnaval eu aproveito os dias livres em casa. São tantas opções, desde pegar todo mundo pra fazer uma boa faxina, é brincadeira, não passo os dias de folga limpando a casa. A verdade é que fico vendo filmes, séries, lendo livros, jogando jogos de tabuleiro, por falar nisso, sou muito boa no xadrez.

Sei que muita gente ama o feriadão, que adora ir rebolar pela rua, mas também sei que muita gente, assim como eu, odeia muito tudo isso. Se você é uma pessoa que pensa como eu, lá vai umas dicas de filmes e livros pra você aproveitar sua folga.

Romance:

Lola é filme muito bonitinho, daqueles que te dão frio na barriga.
Para ler a resenha é só clicar AQUI.








Comédia:

Na Frente da Classe é um filme muito bom, muito divertido e ainda por cima te dá aquela lição de moral dos filmes que passam na sessão da tarde. Não, é sério, o filme é baseado em fatos reais e é realmente engraçado.
Clique AQUI para ler a resenha e saber um pouco mais. 



Romance (mais uma vez, pois eu gosto e pronto):

Upside Down é diferente de qualquer outro filme que você tenha visto, ao menos foi diferente dos que eu vi e pode confiar em mim, eu vejo muito filme. 
Clique AQUI para conhecer a resenha. 







Ação:

Circulo de Fogo, pois é um filme demais, muito, muito legal! E olha que tive que ver o filme dublado, mas mesmo assim gostei. 
É só AQUI para ler a resenha. 



Tá bom, eu poderia ficar dias falando sobre filmes legais, mas acho que já tá bom. Agora vamos para dicas de livros.

A Primeira Regra do Mago: o que dizer sobre esse livro? Que ele é perfeito? Bem, sim, eu até tenho uma tatuagem sobre ele, aquela espada tatuada na minha perna veio dessa leitura.
Leia minha resenha AQUI e descubra o motivo de tanto amor. Ah, o livro teve uma série que durou duas temporadas, mas eu também falo sobre isso na resenha, corre lá pra conferir. 

Como se Livrar de um Vampiro Apaixonado: não se engane pelo título mais que bobo, o livro é muito bonitinho, divertido e interessante, pode crer. Por algum motivo desconhecido, ainda não fiz uma resenha, mas você pode encontrar no Google. 



O Beijo dos Elfos: esse livro me surpreendeu muito, ele foi totalmente diferente do que eu tinha imaginado, mas foi algo bom, uma surpresa boa. Vale a pena ler e novamente, por motivos desconhecidos, ainda não resenhei, mas prometo que em breve irei falar sobre ele aqui no blog. Por hora, faça sua boa pesquisa no Google. 



Sangue e Chocolate: mais uma vez, ainda não fiz resenha. Li esse livro há algum tempo, mas ele foi lindo, muito bom. Se você viu o filme, esqueça tudo, é totalmente diferente, totalmente, história, personagens, final, tudo diferente e pode confiar em mim, o livro é muito melhor, é incrível. 


Bem, pessoal, é isso, espero que esse post possa ajudar alguém, que possa dar opções boas sobre o que fazer com seu tempo. Nós, meros mortais, temos um tempo extremamente limitado de vida, não desperdice o seu. 

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Eu Falo e Você Escuta- Cinquenta Tons mais Branca



Não tenho certeza, mas acho que já comentei com vocês que sou uma pessoa alérgica, já falei algo sobre isso?
Pois é, eu sou muito alérgica, tenho alergia de tudo, pó, detergente, alho, tipos de perfume, determinados produtos para pele, algumas maquiagens, tinta de tatuagem, sol, sim, tenho alergia ao sol, muito legal, não? Como eu disse, muito alérgica!
Tudo bem, até então tudo certo, minha vida é meio difícil por isso, mas beleza, mas muitas de minhas alergias acontecem por causa da minha cor, sim, olha que absurdo, parece até que a vida está fazendo um ato de preconceito racial comigo. Já estou acostumada com bullying por causa de minha brancura, todo lugar que vou alguém fala alguma coisa. Algumas pessoas legais dizem coisas legais sobre isso, já fui chamada de Branca de Neve, Bella do Crepúsculo e outras coisinhas fofas, mas a maioria dos comentários são negativos, meu irmão mais velho até hoje me chama de “Vandinha”, todo mundo me manda pegar uma cor, tomar um sol, mas vejam bem, eu tenho alergia ao sol, eu fico muito ruim se tomo sol, meu olho fica vermelho, minha pele fica vermelha, é uma desgraça.
Ter a pele tão branca e tão fina, que na verdade só é fina por causa da brancura, é um inferno, não só por ter pessoas falando coisas, mas por todos os problemas que surgem por causa disso.
Estou escrevendo esse post, pois se você descer um pouco a seta aqui no blog, verá que postei há alguns dias que estava com alergia nos olhos, pois é, acabei de chegar do oftalmologista, e descobri que sou uma pessoa... Uma pessoa, eu não lembro o nome estranho que ele disse, mas também não faço muita questão de lembrar agora, o negócio é que sou uma pessoa que possui alergia há várias coisas e é impossível descobrir ao que sou alérgica, pois são muitas coisas e esse meu olho inchado, vermelho e coçando é o resultado disso e o motivo por ser assim? É por sem muito branca! A melhor parte é que agora que meu olho desencadeou essa alergia, ela será minha para o resto da vida, não é demais? Vou ter que usar um negócio de limpeza nos olhos todo dia quando estiver tomando banho e usar um colírio especial, então as chances da alergia aparecer diminuem, mas ela pode voltar a qualquer momento, ela vai e volta quando bem desejar, simples assim, não é genial?
É sério,nunca vi ninguém mais branco do que eu, sou mais branca que a menina albina da faculdade e não estou brincando sobre isso. Conheço um cara que tatua há mais de 10 anos e ele nunca viu alguém ter alergia com a tinta da tatuagem, ela é feita exatamente pra não causar alergias, mas é claro, quem é que sempre fica inflamada, infeccionada e com alergia depois de uma tattoo? Quem é que fica com a pele rasgada e toda vermelha por dias? Eu, é claro que tinha que ser eu, a senhorita cor de palmito.
Sempre reclamei de ser tão branca, mas antes eram por coisas bobinhas como problemas de pele, que por falar nisso, eu já sofri muito com isso, vocês nem imaginam o tanto de tratamentos pra pele que já fiz, se alguém se interessar pelo assunto, tenho fotos de como minha pele era, comentem lá em baixo quem quiser um post sobre isso. Então, mas voltando ao assunto de antes, quando você tem uma espinha e é tão branca assim, o problema não é a espinha, o problema é depois, quando a espinha vai embora, mas a marquinha vermelha dela fica presa em sua pele PARA SEMPRE, pois você é branca demais, isso sempre me deixou louca e eu sempre tive muita inveja das meninas negras, pois elas não tinham essas marquinhas vermelhas do inferno. Não sabem como morro de inveja da Karina, uma menina que fez faculdade comigo, ela tem uma pele marrom chocolate que é a coisa mais linda do mundo e nunca vi uma marca de espinha nela.
Eu queria ter nascido negona, bem escura, não só por achar lindo, mas por não ter que passar por tantos problemas de pele e alergia por causa da minha cor, sem dizer que meninas negras usando maquiagem dourada ficam tão lindas que dá vontade de chorar, sempre invejei muito isso e de como os batons bem rosados ficam nelas. Ah, eu devia ter nascido bem pretinha!!!!
Estou cansada, chega disso pra mim, eu culpo minha mãe por ser tão branca, minha vó materna por ter esses olhos tão azuis e incríveis e ter me passado sua genética branca, a culpa é toda de vocês!
Ufa, desabafei! Mas meu olho ainda coça e terei que usar uns antibióticos e pomadas durante 12 dias.

Mas me digam, algum de vocês sofrem com alergias ou coisas parecidas com as que falei? Me digam, será bom ver que não estou sozinha ou então verei que sou a única problemática e odiarei todo mundo por não passarem por nada disso. 
Obrigada pela atenção e volte sempre! 
Só pra deixar registrado, essa sou eu quando o flash da câmara bate em meu rosto!!! 
(Por algum motivo, estou me matando de rir por causa dessa foto) 


PS: Vejam o post que o Lucas Bispo fez em seu blog, ele está mostrando tatuagens literárias e as minhas tattoos estão na primeira postagem, confiram, é só clicar AQUI!

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

American Horror Story - 3º Temporada

Oi, gente.

Sim, o blog ainda está meio abandonado, mas tenho motivos pra isso.
Minha vida anda muito corrida, tudo muito corrido.
Como já sabem, Ninho de Fogo será publicado esse ano e se querem saber, publicar um livro e forma independente dá muito trabalho, nossa, como ando estressada, dá muita dor de cabeça, vocês nem imaginam.
Tudo é demorado, tudo demora, escrever o livro é a parte mais fácil, levei um ano e meio escrevendo e foi a parte mais simples, sem sombra de duvida.
Enfim, estou arrancando os cabelos de minha cabeça, mas sei que tudo vai dar certo, vai dar trabalho, mas dará certo.
Bem, deixa eu parar de reclamar e fazer logo uma resenha.


Para ler a resenha da primeira temporada é só clicar AQUI.
Para ler a resenha da segunda temporada é só clicar AQUI.


Se você frequenta o blog, já deve ter lido a resenha que fiz sobre a primeira e segunda temporada dessa série, então já deve saber que eu adorei as duas. A primeira temporada foi a melhor de todas, sem comparação, foi demais, a segunda foi boa, mas não tanto quanto a primeira e a terceira foi um fracasso total, não sei como as coisas foram piorando tanto.
Bem, antes da temporada sair, podíamos ler que ela seria algo como Romeu e Julieta, um amor impossível e tudo mais, isso tudo me deixou empolgada, pensei que seria muito bom, mas eu estava enganada.
Amor impossível? Sério? É disso que eles chamam o “amor” da menina bruxa com o menino morto que foi remendado? Nossa, to passada! 

Pra mim Evan Peters só foi colocado nessa temporada por ser o “queridinho das meninas”, ele não teve papel, me digam, o que ele fez na série? Ele não teve importância nenhuma, só foi colocado lá por ser o lindinho adorado, o que me deixa muito triste, pois eu realmente acho que ele é um bom ator, ainda não superei o Tate da primeira temporada.
A história dessa vez é de bruxas, macumbeiras, escravos torturados, esse tipo de coisa. Existe uma casa onde as bruxas se reúnem para aprender e sobreviver, pois existe um grupo de caçadores de bruxas, por isso elas precisam ficar unidas, juntamente com a grande suprema que é a maior bruxa de todas, a que possui todos os poderes. E se quer saber de uma coisa, que final terrível que deram para essa suprema, isso me irritou profundamente.
O pessoal da macumba fica em outra parte da cidade, as macumbeiras não topam muito com as bruxas, mas eles combinaram de se respeitar, cada uma ficar na sua.
Resumindo, é só isso, não teve nada demais, nada, nadinha, acho que o pessoal da série se perdeu dessa vez, ficaram confusos, tentaram criar o romance da bruxinha com o menino remendado nos últimos episódios, fazendo todo aquele drama e bla bla bla, mas não colou, o menino ficou praticamente morto a série toda e do nada quiseram fazer algo dramático.
A história não existiu, só misturaram uma velha doida que torturava escravos, um pouco de magia aqui, outro tanto de macumba ali, uns fantasminhas por lá e só.
Decepcionante, essa é a palavra que resume a terceira temporada.
Tudo bem, acho muito difícil criar algo que supere a primeira temporada, mas desmoronar com tudo dessa forma foi triste, eu realmente esperava mais, principalmente por essa ser uma de minhas séries preferidas.

É claro que irei ver a quarta temporada, se existir a quarta, não fui pesquisar pra ver como as coisas estão, mas confesso que assisti os últimos episódios da terceira completamente forçada, não estava com vontade nenhuma de assistir, só queria ver se as coisas iriam melhorar, mas infelizmente isso não aconteceu. 

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Quase Quasimodo




Olá, queridões e queridonas.

Vocês devem ter reparado que ando meio sumida do blog, mas não foi por escolha, tudo anda muito corrido em minha vida e nunca estive tão nervosa assim, não me lembro da última vez que me senti assim, quase explodindo.
Deixe-me explicar o que anda acontecendo, bem, vocês sabem que me mudei de cidade, certo? Pois é, somente isso seria suficiente para enlouquecer qualquer um, mas não é só isso.
                    (Meu olho normalmente é assim)                                              (agora está assim.)


Estou com uma alergia desgraçada nos olhos, eles estão vermelhos, inchados, lacrimejando, uma beleza, nem posso sair de casa sem óculos escuros.

 Meu filho começou a escolinha pela primeira vez na vida e esse pode ser um dos maiores motivos do nervosismo, vocês não fazem ideia do quanto isso pode ser frustrante, não somente por não saber o que ele está fazendo o dia todo, pois ele não me conta nada e estou acostumada a saber onde ele está, o que está fazendo, com quem está fazendo, de que forma está fazendo e tudo mais, sou muito detalhista, ainda mais quando o assunto é “EDUARDO”. E para terminar com chave de ouro meu querido ortopedista me deu um xeque-mate, “ou você volta pra natação e se exercita ou então dentro de pouquíssimos anos, você, minha queridinha, se tornará o Quasimodo, sim, o Corcunda de Notre Dame.”
A história é longa, digamos que tenho um grande caso de muitos e muitos anos de muita dor nas costas, problemas na coluna, por conta de má postura e bla bla bla. O Negócio é que não me lembro de passar um só dia sem lembrar que tenho costas. Quer dizer, você não fica pensando, “oh, eu tenho dedos, mãos, pernas, etc”, mas quando alguma parte de você dói, você se lembra dessa parte, não é? Bem, me lembro todos os dias que tenho costas, mas quando faço natação, exercícios, fisioterapia e outras coisinhas, a dor vai embora, mas é algo pra vida toda, nunca posso parar de me movimentar.
Eu fiz natação quando era mais nova, devo ter feito dos 10 aos 15 anos e posso dizer com muito orgulho que é o único esporte que sou boa, mas verdadeiramente boa. Por alguma razão, me dou bem dentro da água, mas fora dela... Nem queiram saber, se você me jogar uma boa, mesmo que esteja bem na minha frente, eu não irei conseguir pegá-la e ela provavelmente acertará minha testa ou nariz.
Mas como disse, por alguma razão ainda desconhecia pelo universo, na água sou diferente. Quando comecei a natação, era terrível, meu avô achava que nunca daria certo, mas dentro de algumas semanas me transformei, acho que tudo começou com a palavra “competição”.
Meu querido professor de natação, ele se chamava Gustavo, era um cara muito legal e teve muita paciência comigo, bem, num certo dia ele inventou uma competição entre nós, as crianças que faziam aulas comigo, mas como algumas eram muito melhores que outras ele estipulou tempo. Para Felipe, o melhor nadador da turma, o professor estipulou o tempo de 25 segundos para cruzar os 25 metros da piscina, para o menino que era muito magro e não lembro o nome, estipulou o tempo de 30 segundos e para mim, que era a pior nadadora da turma, acabei com 34 segundos. Então, nós três nos posicionamos e a competição começou e quando terminamos ficamos todos ansiosos pelo resultado.  O que ninguém imaginava é que a palavra “competição” ativou alguma coisa em mim e eu fiz os 25 metros em 21 segundos e ganhei dos meninos.
Depois disso, não me tornei a melhor nadadora da turma, continuei sendo eu, a garota lerda na água, mas então outra competição apareceu, uma de verdade, não entre os colegas de turma, mas uma entre cidades. A garota da minha academia que deveria competir ficou doente então meu professor me ligou numa sexta-feira a noite, dizendo que no sábado de manhã eu deveria estar lá pra competir, eu disse que não poderia, mas ele começou com aquele papo de professor, que acreditava em mim, que eu conseguiria e bla bla bla, então eu fui e ganhei. Depois tudo foi evoluindo, eu nunca na minha vida cheguei em segundo lugar numa competição, venci todas as que participei. Meu avô dizia que eu iria para as olimpíadas, mas é claro que ele dizia essas coisas, pois é meu avô coruja, ué.
Mas então eu parei com a natação, pois meus ombros estavam ficando largos demais e eu não queria isso. Sempre fui muito magra e naquela época era baixinha, não que eu não seja baixinha hoje, tenho 1,65, mas antes era bem menor que isso, então não queria ter ombros gigantes. Mas como já devem ter percebido, ombros largos não parecem tão ruins assim, quando comparados com o Quasimodo. Sim, prefiro ombros grandes a corcunda, a ideia parece mais agradável, não?
Começo a natação na segunda, sem dizer que agora ando 40 minutos por dia e provavelmente voltarei com a bicicleta. É, tô dizendo adeus pra vida sedentária, tudo por conta da futura corcunda que me aguarda.
Enfim, agora as coisas vão se acalmar e eu voltarei a fazer as postagens normalmente. Estou cheia de resenhas pra fazer e meus dedos estão até coçando pra falar sobre a terceira temporada de American Horror Story, que foi péssima, se você quer saber.
Até! :)